CRAB

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Eu odeio o meu Plano de saúde. Mas odeio mesmo, de verdade. Aquele ódio genuíno, de raiz, e os motivos para tanto são muitos. Pra começar, a lista de credenciados é bem reduzida e você precisa ligar sempre, para saber se mais algum cancelou o contrato. Segundo, e a coisa mais surreal do mundo, para você ser atendido em uma clínica, você não segue o procedimento padrão, de marcar a consulta, levar a carteirinha, seus documentos e ser atendido. Não. No meu Plano você precisa ligar, marcar e depois ir no escritório do plano pegar uma autorização. Você só pode ser atendido com essa bendita autorização em mãos, e é aí que o caldo fica grosso.
O escritório do plano, além de ser o campeão de desorganização e burocracia, só tem mocinhas de péssimo humor que trabalham fornecendo essa autorização. Agora imaginem todos os clientes do plano dependendo dessas três mocinhas nada simpáticas para terem suas autorizações em mãos. De matar.

Eu só usei o plano duas vezes. Uma para testar e outra para fazer exames decorrentes desse teste. Acontece que faz um tempinho que eu venho sentindo um dor chata. Nada absurdo, que não me permita levantar da cama nem nada, mas como a dor já durava mais de um mês, resolvi pagar os meus pecados tentando uma consulta (Tô paganu). De largada, só consegui marcar para dali 25 dias. Que ótimo. Depois, o escritório do plano só funciona em horário comercial e para trabalhadores honestos, pagadores de impostos, tipo eu, tipo você, complica muito, visto que só rola de ir na hora do almoço. Mas como eu estava precisando, fui. Quando finalmente fui atendida, tinha uma senhora do meu lado que estava solicitando uma autorização para uma clínica chamada CRAB. Centro de reabilitação não sei das quantas. Ao falar o nome da clínica, a mocinha mau humorada pediu para ela repetir, o que ela fez de imediato: "Crab". A moça perguntou de novo, sorriu, olhou para a coleguinha do lado e emitiu a autorização.
Quando a senhora já estava na porta, ela volta com o papel em mãos dizendo que a autorização estava errada:
-O que está errado aí, Senhora?
-O nome da Clínica

A mocinha pega o papel, olha o que está escrito e diz que está certo.

-Não. Não está.
-Qual é o nome da Clínica, senhora?
-CRAB.
-Então, é o que está escrito aqui.
-Não. Aí está escrito CLAB. O nome da Clínica é CRAB. Você colocou CLAB porque achou que eu não sabia falar, mas se enganou. O nome é CRAB mesmo.
-CRAB?
-É, CRAB.
-Eu devo ter escutado errado.
-Você escutou certo, tanto é que mandou eu repetir 3 vezes, mas achou que eu estava falando errado e até olhou para sua colega do lado e sorriu.

E vai a mocinha outrora sorridente já perdendo a graça e visivelmente nervosa. A piadinha feita minutos antes havia desaparecido e já não fazia sentido. A senhora já chateada, chamou a Supervisora e fez o maior bafão daquele recinto. E vocês sabem como funciona essa coisa de gente insatisfeita. Basta um reclamar para todos os outros seguirem o fluxo.

Eu não sei qual foi o fim disso, porque eu já estava atrasada e precisava voltar para o trabalho, mas confesso que estou doida por uma nova consulta, mas só para voltar lá e saber se a mocinha foi demitida. =)






Design e código feitos por Julie Duarte. A cópia total ou parcial são proibidas, assim como retirar os créditos.
Gostou desse layout? Então visite o blog Julie de batom e escolha o seu!